segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Fim das eleições!


Na virada do ano escrevi sobre minhas percepções sobre a polarização e sobre o maniqueísmo que dominava o grande fórum do debate nacional, o boteco. Ali percebia que minha ilusão quanto às mudanças que o Brasil veria era fruto de uma imaturidade e até mesmo de uma arrogância minha. Acreditar que 500 de comportamento seriam mudados em um mês, o fatídico junho de 2013, era além de surreal, era tolo pois partia do pressuposto que eu saberia exatamente as respostas para um país melhor. 

Houve um sacode no brasileiro, a galera está sim se interessando mais e lendo mais, isso é bom é excelente. Vi infinitas publicações do gênero "o que adianta ir as ruas e votar em X" e X sempre era o candidato odiado de quem publicava. Muito provavelmente porque junho de 2013 foi apropriado por gritos menores já no seu final, gritos de 'fora' e de 'impeachment'. O que todos ali sonhavam era com algum tipo de reforma profunda que independia do partido, vide as pressões que foram feitas sobre fim do foro privilegiado, fim do voto secreto no congresso, investimentos na educação, redução da quantidade de parlamentares etc. Era muito comum ouvir esses gritos de ordem nas ruas e achar grupos nas redes sociais debatendo esses temas. Curtia ler e assistir a entrevistas do FHC no período que ele tentava dizer justamente isso que não se tratava de um movimento político, infelizmente muitos interpretaram os protestos como anti-político que é outra coisa totalmente diferente e sem sentido.


Onde quero chegar com essa ladainha? Os protestos de maio e junho de 1968 com estopim na França e com alastro mundial também não deram em "nada", já que o governo francês contornou a situação, nos EUA a guerra do Vietnã não foi interrompida e no Brasil a ditadura não desapareceu. Mas muita gente séria que estudou e/ou viveu o período atribui muitos ganhos em direitos humanos que ocorreram em escala global ao movimento de 68. Cria-se um divisor de aguas e um divisor de pensamento. Torço para que esse seja o maior legado que o Brasil também vai ter de 2013.

Então essas eleições de 2014 entram pra história da quantidade de pessoas que se importaram, que leram a respeito e que debateram. Obviamente entra também pra história com a maior desfazedora de amizades, de argumentações rasas, de xingamentos sem sentido e do preconceito. Nessa sopa vejo um saldo positivo, pois estamos nos importando, queria muito que tivéssemos maturidade para continuar as conversas, o próximo caso de escândalo que acontecer vamos ter senso crítico de buscar justiça ou vamos abrandar por ser o nosso partido? Esse é um medo que tenho, da indignação seletiva, a mesma polarização que vive os EUA onde grande parte da população vive um disputa muito mais irracional que aqui e boa parte dos estados não mudam o voto (semelhanças?). Vejo que o Brasil é mais interessante e possui uma pluralidade partidária que dá mais opções e condições para os partidos se manterem. Gosto mais assim e espero que trilhemos outro caminho com mais diferenças e menos coincidências com os EUA. Vivo um cauteloso otimismo.

E o que eu fiz nessas eleições? Em quem votei?

Fiquei na minha, só observando. As poucas vezes que argumentei alguma coisa me chamaram de burro, esquerda caviar e analfabeto funcional coxinha. Parece impossível ser xingado dos dois lados, mas aconteceu, e com gente que estuda e muito, mas são tão fervorosos que nem ouvem só xingam. O resto do tempo fiz pouquíssimos comentários, quando fazia eram menos incisivos ou eram piadinhas inocentes, falei mais do Vila Nova do que dos candidatos (aliás, rebaixamento inevitável esse ano). Me recusei a votar nos dois turnos, não justifiquei nem nada. Simplesmente não quis. Não via razão par escolher um candidato que não vai conseguir governar e se conseguir é porque vendeu a alma pra alguém. Entre os 3 mais votados pra presidente todos foram patrocinados pelas mesmas corporações. Nos estados tanto GO quanto DF estavam ferrados com as opções. No legislativo eu tenho tantas ressalvas quanto ao modelo que adotamos, bicameral, mais de 500 deputados e sistema proporcional na eleições que não vi motivo pra participar disso. 

Resumindo, não acredito mais no poder do voto. Não acredito que jogar anjo no inferno faz o lugar melhorar, não acredito que colocar o melhor piloto da Fórmula 1 pra pilotar o Titanic faça alguma diferença, sabe nem dar a partida. Acredito numa reforma política independe do voto, que seja fruto de pressão popular. Exemplo pequeno rápido: projetos como o de transformar crime de corrupção em hediondo existiam há anos de vários partidos diferentes, em poucos dias foi votado quando a galera resolveu gritar, mas falta outro turno de votação que está parado até hoje, porque paramos de gritar. Ainda nos falta maturidade política, várias coisas ficaram esquecidas e não, não foi a copa.

Vou arcar com as consequências, que não são drásticas, da minha decisão de sequer justificar o voto, mas não estou arrependido. No primeiro turno se somarmos brancos, nulos e abstenções teremos um número mais expressivo que a votação do Aécio. Já no segundo fomos um total de 37 279 773. É gente demais que deixou de escolher um candidato. No Rio de Janeiro o não-voto ganhou as eleições ficando na frente do eleito Pezão, histórico. Tira-se uma boa meditação desses números.


Se for taxado de anarquista/golpista/guerrilheiro/coxinha/covarde/etc nem estou me importando tanto, nem reajo mais, simplesmente me calo e saio de cena. Mas nos bons debates estarei em todos, afinal é no boteco que o conhecimento se forma. E se em 2016 ou 2018 eu mudar de ideia, eu voto normalmente, parei com esses orgulhos de não mudar pra ter cara de sábio chinês da montanha cheio de verdades universais.


sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Empreendendo

Faz parte de tudo. Vejo poucas atividades que não tenha empreendedorismo envolvido. Se você é um apertador de parafusos estilo "Tempos Modernos" ainda assim vai empreender em algum momento em alguma situação.


Quer ser promovido a apertador de porca. Você vai precisar se preparar, estudar as porcas, aprender a negociar com os chefes, investigar qual deles é o tomador de decisão, planejar o melhor momento de pedir a promoção, organizar tudo isso e se monitorar para cumprir. Filho, isso é empreender. O mesmo para mudar de emprego ou para virar chefe.

E o cara que quer apertar parafuso o resto da vida? Um dia ele vai sair da casa da mãe, vai ter que economizar uma grana, procurar um lugar que consiga pagar, comprar novos móveis e fazer a mudança. Ou seja, gerenciar recursos, pesquisa de mercado, aquisição de passivo e execução de projeto. Isso é o que galera?

O cara vai casar, ter filhos ou fazer uma viagem, não importa, tudo é empreender. Porque então existe tanta resistência quando alguém diz na família "Quero ser empresário"? Eu até consigo dar um desconto para galera que é geração X ou babyboom, são de outra época onde carreira tinha outro significado e sua identidade estava atrelada ao seu emprego e não aos seus sonhos, opiniões ou talentos. Mas, me explica essa geração Y concurseira! Todo mundo agora tem talento pra empresa pública? Duvido muito, tem muita gente infeliz na esfera pública dizendo que estabilidade é tudo, aos que se identificam com a carreira tudo bem, não é desses que falo.



Enfim, a nossa criação atrapalha um pouco a cruzar essa ponte entre o assalariado e o autônomo/empresário, fica até um pouco mais difícil dar o primeiro passo. O tempo está chegando e minha missão em Brasília terminando. Vim pra bancar meus sonhos, se passaram dois anos, eu achava que seriam necessários três mas não serão. É muito gratificante planejar algo a longo prazo e ver isso acontecer, colher o que você plantou, clichê eu tô ligado. Algumas coisas deram certo antes do prazo e com ajuda dos amigos os planos se aceleraram, bom demais.

Mas se uma pessoa faz uma lista de coisas que quer fazer antes de morrer tem que planejar demais e ter um pouco de paciência. Se planejei ser empresário e voltar para Goiânia eu tinha que estar fazendo algo a respeito e não só falando no assunto para as pessoas. Não perdi o foco ao vir pra Brasília e nem comecei a estudar pro concurso do Senado, cujo salário é tentador, mas mantive a trilha, fiz os investimentos, trabalhei, fiz contatos etc. Estou feliz demais da conta. Rumo aos alvos. Vou concluir muitos itens dessa lista de coisas, nem vou precisar de duas vidas como eu pensava.



quinta-feira, 18 de setembro de 2014

"Eu tenho ideias próprias!"

Essa frase me dói na cabeça quando alguém diz, é o meu preconceito secreto (acho que agora não é mais secreto, tenho que parar de fofocar). Tem gente que para de falar com alguém quando ouve um erro de português, quando descobre o time que a pessoa torce ou quando descobre em quem ela vai votar. Eu não tenho esses preconceitos, os meus são outros, tão ruins quanto, hoje quero expor um em específico.



A pessoa se altera numa discussão/debate qualquer e já meio arrogante solta que não é manipulada e que tem ideias próprias. Pronto, é o suficiente para minha total desmotivação em dialogar com essa pessoa. Não me gera ódio eterno nem nada disso, só desânimo mesmo e uma preguiça social muito grande.

Pra você ter ideias próprias e não ser influenciado por ninguém teria que fazer duas coisas:

1) Ser o primeiro de uma espécie com DNA 100% novo, não inspirado em nenhum forma de vida anterior para que não haja nenhuma informação instintiva do passado.
2) Ser o único dessa espécie, de forma que não tenha vínculo social com nenhum semelhante para que não haja nenhum tipo de influência ou doutrinação.

Se você é este ser parabéns, é possível que consiga ter ideias próprias. Do contrário, bem vindo ao clube dos propagadores e adaptadores de ideias. Há quem acredite que por ser ateu não sofre nenhuma influencia ideológica das religiões mas não consegue responder porque fala baixo em cemitério, mesmo vazio. Ainda que nunca tenha pisado numa igreja a influência de milênios está ali, firme e forte.

O pensamento sobre a homossexualidade masculina vir através de pai ausente e mãe dominadora é replicado hoje por todo tipo de gente, até por quem não faz ideia de quem seja Freud e o mais legal vai afirmar que pensou isso sozinho.

Há quem nunca ouviu falar em Platão e não vai admitir que é influenciado por ele e não conseguiremos argumentar toda influencia no pensamento ocidental que esse cara gerou. O cidadão coloca o feijão por cima do arroz, não consegue de jeito nenhum fazer o contrário e me diz que tem ideias próprias. Depois da rodada do brasileirão todos estão fazendo as mesmas críticas sobre os jogos crendo que têm ideias próprias.


Mas e os grandes pensadores, inventores, desbravadores? São bons observadores, aliás ótimos. Maquiavel, por exemplo, eternizado pela obra O Príncipe já na introdução se entrega dizendo que aquele presente era fruto de anos de observação dos fatos. As ideias caem quando observadores com mais recursos percebem outras verdades e assim caminha, supera-se Freud, Sócrates, Maquiavel etc.

Agora me fala qual a chance de uma pessoa conectada à interwebs o dia todo, ligada à TV no horário nobre, lendo as revistas de grande circulação ter uma ideia própria? Tudo vem de algum lugar, as invenções surgem de alguma carência observada somada a soluções já existentes, o cara fica rico quando implementa da forma mais comercial por conhecimento prévio.

Não vejo problema em dizer "tive uma ideia" ou em fazer brainstorms atrás de novidades, não é esse o ponto, até porque eu adoro brainstorm. Minha implicância, o preconceito em pauta, está em torno da presunção quando manifesta na incapacidade de admitir ser parte de um todo muito maior que si próprio. Ser incapaz de reconhecer dogmas e preconceitos que herdou de alguém ou de milênios de propagação de um pensamento. A humanidade não é tão especial assim, muito menos genial, imagina o indivíduo!!!


terça-feira, 9 de setembro de 2014

Carne! #coisalindadedeus

Carne é um trem bão demais da conta. Churrascarias são um paraíso que eu chamaria de céu se o rodízio fosse grátis. Mas porque comer 'uzanimais'? (Vaca é uzanimais, cachorro é uzanimais...) 



Desculpem-me eu não tenho pena e nem consciência em relação às outras espécies do planeta. O que eu tenho é um medo profundo de que a pecuária destrua toda a terra fértil e também contribua bastante para o uso desequilibrado de nossa água potável. Esse medo de bagunçar o ecossistema é que me faz refletir em diminuir a quantidade de carne que eu como. Mas compaixão mesmo não tenho. "Então você é a favor dos rodeios e dos maus tratos?" Não mesmo, minha mãe me ensinou que não se deve brincar com a comida, então rodeios, rinhas e afins não têm o menor sentido. 

Eu desde 2012, quando passei a morar sozinho, comecei a mudar bastante minha alimentação, equilibrei mais, comi mais verduras, percebi que não tinha a menor necessidade de comer um quilo de comida no almoço, parei com refrigerantes, diminuí drasticamente a quantidade de sal e açúcar na minha alimentação etc. Mas reduzir a carne estava bem difícil. Além da minha vontade de parar de contribuir com destruição do planeta eu também já estava me tocando que carne vermelha todo dia não é uma coisa muito saudável. 

Fiz um amigo vegetariano e as conversas são boas e esclarecedoras, mas não chegam ao ponto de me fazer reduzir as porções. Até que uma dia a empresa em que trabalho resolve realizar aqueles exames pra saber se os funcionários estão morrendo. Daí eu resolvo ler o exame antes de entregar e vejo lá a bendita taxa de triglicérides. Acho que entre as milhares de religiões existente minha dúvida sobre qual estaria certa acabou, os hindus sempre souberam a verdade "não comam as vacas, ou arquem com as consequências". Claro que não é somente a carne vermelha gordurosa, mas também os doces, massas e mais uma lista infinita de coisas que contribuem para meu atual estado alarmante. Não preciso ficar recorrendo a lista pra saber se posso ou não comer, o macete é: olhou, salivou, bate a tristeza e já desvio o olhar, só posso comer aquilo que ninguém quer. 


Uma coisa que me irritou foi que nem pude comer minha torta de aniversário ou sequer fazer um brinde. Enfim o item 8 da lista vai acontecer, na verdade já está acontecendo, de forma abrupta. O que mais me chateia é que esse troço de triglicérides sempre soou na minha cabeça como coisa de velho, tipo, acabei de fazer 29, sou uma criança ainda, isso não é justo... 

sábado, 2 de agosto de 2014

Tendo um treco



Alguns amigos e até a primeira dama costumam dizer que eu sou a mulher da relação. Devo ser mesmo. Estou mais ansioso para me casar que a noiva, como isso é possível? Explico:

1) Primeiro que tudo que eu decido fazer direito, tenho um padrão de qualidade que nem eu mesmo consigo cumprir. Hipocrisia? Sim. Mesmo eu tendo me atentado para nem 30% das coisas que envolvem uma cerimônia eu consigo fazer que esses 30% causem mais dor de cabeça que os outros 70%.

2) Eu gosto de inventar moda, como diz minha mãe. O problema de inventar jeitos diferentes e personalizados de fazer as coisas é óbvio: ou fica mais caro ou mais trabalhoso e na maioria dos casos acontece as duas coisas. Se não bastasse tem fato de que a nova moda não foi testada ou pouco testada então sempre existe a chance de desastre, por isso mais tensão.

3) Estamos montando nossa casa e não ficará pronta em menos de um ano e o casamento é em uma semana kkkkkkkk peraí kkkkkkk. Então, mas isso não quer dizer que já não esteja dando trabalho agora. Está dando muito, mas vai ficar bom.

4) Moro em Brasília enquanto tudo se passa em Goiânia, minha solidão aumenta meu nervosismo de um tanto que você não imagina. É tipo um obstetra não poder fazer o parto do seu próprio filho. Ok, exagerei, não faria mais que os 30% mesmo se estivesse lá, mas pelo menos pegaria na mão da grávida.

5) Lembra da empresa que já mencionei aqui? Então, ela é totalmente virtual e resolveu entrar no ar AGORA!!! Putz, é tanta coisa ao mesmo tempo, só falta ser ano de copa...

6) Tem referências de Dragon Ball no cerimônia de casamento!

7) Sete é um número excelente.

A verdade é que a primeira dama tem que fazer quase tudo sozinha, amo demais essa baixinha, só não é gorda, dentuça e nem tem um coelho azul. Então porque raios eu fico mais maluco que ela????? Devo ser a mulher da relação mesmo.

#tocapedraletícia